terça-feira, 17 de março de 2009

Sobre o estágio

Sobre o estágio
Quem me conhece bem sabe que eu não aceito coisas erradas, especialmente quando se refere a crianças. E quando observo que essas coisas erradas existem em um ambiente escolar onde estou estagiando, não faz sentido eu continuar ali; afinal, dificilmente aprenderei algo útil.

Acredito que assim como exigimos respeito para nós, devemos respeitá-las também. Ou seja, gritar com elas porque estão fazendo bagunça, chorando ou brigando não resolve a situação; o certo é conversar e fazê-las refletir a respeito de seus atos - mas o que acontecia lá era o contrário, e não é essa pedagogia que quero praticar.

Aliás, dava a impressão também de que a maior preocupação dos professores era corrigir as atividades dos alunos e escrever nas agendas algumas frases como "senti a sua falta ontem" - será que sentiu mesmo? - com o intuito mostrar para os pais. O pior é que alguns pais se contentam com isso!
E, enquanto isso, os alunos ficam sentados em suas cadeiras sem darem um pio, sem a devida atenção do professor.

O professor também nem precisa ser muito inteligente, afinal, são utilizadas apostilas para "ensinar" os alunos e tudo o que ele precisa fazer é explicar a atividade conforme o manual da mesma. E os pais acham que esse método funciona: tudo por causa de uma apostilinha colorida, que promete a eles que futuramente seu filho estará preparado para o vestibular! E a preparação para a vida, onde fica?
Sou abertamente contra o uso de apostilas: acredito que o professor deve verificar a necessidade de sua turma, correr atrás do conteúdo utilizando fontes diversas e ser criativo para planejar as atividades. Afinal, nem sempre ensinar o que é boy e girl ou como surgiu o universo para crianças de educação infantil (conteúdos de apostila) é muito significante, já que de um momento para o outro podem esquecer: que tal trabalhar valores como o respeito, a amizade, e etc.? Valores esses que são importantes para a vida toda..

Fora que os pequenos são alfabetizados com métodos tradicionalíssimos, como copiar o "ba-be-bi-bo-bu" trocentas vezes, mas sem saber o que estão fazendo! Quem faz pedagogia sabe que hoje em dia esse método se tornou ultrapassado!

Quem quiser pode me chamar de chata, ranzinza, ou seja lá o que for. Mas foi como comentei no começo do post: quando algum ambiente, as pessoas ou métodos não condizem com os meus valores, não consigo aceitar numa boa e continuar. Não, eu quero fazer o que acho que é certo!
E o motivo pelo qual escolhi cursar pedagogia é porque quero ser uma professora que faça a diferença para os alunos, que garanta que eles aprendam realmente, e não fazer serviço para os pais, coordenação ou direção! Acho que temos que lutar pelo que acreditamos..

PS: E sim, eu saí de lá.

Mais
Ouvindo: Bon Jovi - Midnight in Chelsea.
Lendo atualmente: A menina que roubava livros - Markus Zusak.

2 comentários :

  1. Fer ahauahau eu posso te entender perfeitamente pq sou exatamente como vc, não suporto coisa errada e sou adepta da frase: ou faz bem feito ou não faz, se pelo menos 1/3 do ensino desse país fosse exatamente como seu pensamento e a sua ÉTICA, o Brasil não estava o caos na educação, como está hoje.

    No mais
    Outback domingo?? rsrsrs

    ResponderExcluir
  2. ..um dia eu tomo coragem e também começo a agir assim!

    ResponderExcluir

E aí, o que achou? Deixe seu comentário aqui! =)

Lembre-se de ter bom senso e comentar sobre o assunto post. Sinta-se livre para fazer qualquer tipo de crítica, desde que seja a respeito do assunto ou opinião abordada, e não ataques pessoais àqueles envolvidos (como eu, outras pessoas que comentaram, ou outras pessoas que citei no decorrer do texto).

Costumo retribuir a todos os comentários, desde que tenham alguma coerência. Me desculpem, mas aqueles que se resumem somente a "Seu blog é lindo! Visita o meu?", terão sua retribuição no mesmo nível!

...

Copyright 2002-2015 - Fernanda Fusco - Todos os direitos reservados

Cópia total ou parcial proibida !

Related Posts with Thumbnails